PROTOCOLO DE HIPOPRESSIVOS PARA O TRATAMENTO DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA

Este mês a Revista Científica de Enfermagem da Sociedad Científica Española de Enfermería (SCELE) publicou o  artigo original Ejercicio Hipopresivo en el tratamiento de la incontinencia urinaria en mujeres multíparas: serie de casos dos autores Baruc Abimael, Tamara Rial, Iván Chulvi-Medrano e Pierre Fabre.  O objetivo do estudo clínico foi apresentar os resultados do tratamento de uma série de casos de mulheres multíparas que tinham incontinência urinária. Baseando-se no protocolo de exercícios hipopressivos descrito pelos fundadores de Low Pressure Fitness em 2014, foi proposto um protocolo inovador para a área terapêutica com o objetivo de melhorar as perdas de urina dos casos.

 

Tornou-se socialmente normalizado a ter vazamento de urina. Você pode, e deve, trabalhar

 

A incontinência urinária é muito comum no pós-parto sendo o número de filhos e o tipo de parto fatores de risco da mesma. Em muitos casos as mulheres afetadas não procuram tratamento uma vez que socialmente se normalizou o facto de se ter perdas de urina quando se atinge uma certa idade ou após o parto. Porém, o tratamento supervisionado com exercícios específicos pode ser muito efetivo.

 

Nos últimos anos, começou a utilizar-se a terapia com exercício hipopressivo para a abordagem de disfunções do pavimento pélvico como a incontinência. Ao existirem poucas referências sobre o protocolo ideal de exercícios hipopressivos para tratar a incontinência urinária os autores elaboraram um programa de intervenção inovador. Foram realizados 10 minutos de exercícios básicos do nível 1 a realizar uma vez por semana até completar três semanas. A partir daqui foi aumentado o tempo das sessões para 15 minutos e também o número de sessões semanais que passou para duas vezes por semana. Nas duas últimas semanas foi aumentado o tempo de prática para 20 minutos dois dias por semana. Após completar sete semanas todos os casos avaliados melhoraram a severidade e o índice de perdas de urina. Em dois dos casos houve remissão completa das perdas de urina e todas mostraram uma elevada satisfação com o programa.

 

Uma vez que os casos foram avaliados, houve melhorias na taxa de vazamento de urina

 

incontinência urinária

 

Os resultados apresentados no estudo permitem-nos:

  1. ter mais dados sobre a possível eficácia dos hipopressivos no tratamento conservador da incontinência urinária;
  2. Estabelecer as bases de novos protocolos de estudos experimentais com grupos de maiores dimensões.

 

Tanto a duração das sessões como a apresentação de forma progressiva facilitam em grande parte a sua execução pela paciente e a aplicação em âmbito clínico para o/a terapeuta. Estudos anteriores e profissionais propunham sessões de maior duração (30 a 45 minutos). Contudo, à luz das melhorias observadas neste estudo um protocolo de menor duração e poucas sessões (uma ou duas por semana) resultaria também eficaz destacando a maior facilidade na sua prescrição.